Alabaster Box

Jesus - O Evangelista da Periferia


Jesus nasceu em Belém da Judeia, cumprindo assim a profecia de Miqueias, entretanto, foi criado em Nazaré e fixou residência em Cafarnaum, ambas cidades da Galileia. Iniciou o seu ministério em Caná da Galileia e encerrou em um certo monte da Galileia. Mais da metade do seu ministério foi desenvolvido na Galileia e dos seus doze discípulos, onze eram daquela região.

O único da Judeia era Judas, aquele que o traiu, cujo sobrenome, “Iscariotes”, significa “homem de Keriote”, uma pequena cidade ao sul de Hebrom. Seria isto uma mera coincidência? Seria por falta de opção ou porque as famílias de José e Maria eram dali?

Nos tempos do Novo Testamento, Israel era dividido em três regiões principais. No centro estava Samaria, habitada por um povo miscigenado (de raça mista) e sincretista (de religião misturada), odiado pelos judeus. 

No sul estava a Judeia, região nobre, onde ficava o templo, o sinédrio, os principais mestres da lei, as melhores faculdades, as pessoas mais ricas e influentes. Ali estava Jerusalém, onde aconteciam as concorridas festas judaicas, e outras influentes cidades como Jericó, Hebrom e Cesareia.

No norte estava a Galileia, região dos pobres, iletrados, menos privilegiados, simples pescadores, trabalhadores braçais, gente desprezada e menosprezada, marginalizada e motivo de chacota para os importantes habitantes do sul. É por isto que quando alguém mencionou que Jesus era da Galileia os líderes religiosos logo retrucaram: “Da Galileia não se levanta profeta”. Natanael também questionou: “De Nazaré pode sair alguma coisa boa?” (Jo 1.46)

David Bosch, o conhecido missiólogo sul-africano, chama-nos a atenção para a ênfase dada por Lucas ao ministério de Jesus entre os carentes. Para ele, o paradigma missionário de Lucas é “a prática de perdão e a solidariedade com os pobres”.

Em Lucas 4.18-19 Jesus se levanta em uma sinagoga da Galileia e proclama em alto e bom tom: “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor” (LC 4.18). Observe as classes que Ele cita: POBRES, CATIVOS, CEGOS e OPRIMIDOS.

O Mestre da Galileia estava citando Isaías 61.1-2 e parte do 58.6. O “ano aceitável do Senhor” neste texto refere-se ao “ano do jubileu”, de Levítico 25. Tratava-se de uma lei estipulada por Deus, que contemplava principalmente os pobres de Israel. Era observada a cada quarenta e nove anos, quando três coisas aconteciam:
1) todos os escravos judeus eram libertos;
2) todas as dívidas eram perdoadas; e
3) toda a terra descansava da semeadura naquele ano.

Cristo estava dizendo que o seu ministério contemplava de forma especial os carentes.

Creio, portanto, que a dedicação de Jesus aos carentes da Galileia não foi por acaso. Como escreveu o missiólogo equatoriano René Padilla, ele fez opção pela Galileia. Viveu ali deliberadamente.

O porto-riquenho Orlando Costas, considerado o primeiro missiólogo latino-americano, chama Jesus de o “evangelista da periferia”.

Mas, às vezes, o Cristo que pregamos parece mais um alto executivo metropolitano do que “um homem de dores e experimentado no sofrimento”. Até que ponto temos seguido o seu exemplo dele?

[Continuação]

Cácio Silva é pastor presbiteriano e missionário da Missão AMEM/Projeto Amanajé, juntamente com sua esposa Elisângela, entre indígenas na Amazônia

Fonte: Ultimato.

Rússia estreita laços militares com Irã e envia destroyer

Navio Marshal Shaposhnikov está atracado no Irã

Um navio destroyer russo está atracado no porto de Bandar Abbas, no Irã, com o objetivo de estreitar as relações militares entre russos e iranianos, disse um alto oficial da Marinha do país persa, informa a Press TV.

“Marshal Shaposhnikov, um destroyer russo, ancorado neste porto, mostra a parceria entre Irã e Rússia”, disse o vice-almirante-Hossein Azad.
 
Segundo a TV iraniana, o Comandante Almirante russo, Sergei Alekminski disse que a Rússia enviará em 2013 uma frota de navios e fragatas para uma visita a um porto iraniano.
 
O comandante Habibollah Sayyari disse em fevereiro que as forças navais de vários países vizinhos manifestaram desejo de enviar frotas para o Irã, e que Teerã está pronto para recebê-los.

A Rússia, ao lado da China, é um dos poucos países que defende o governo iraniano nas reuniões da ONU. Para Israel e EUA, o Irã está próximo de desenvolver uma bomba nuclear.

Fonte: IANotícia.

Entrevista com Cibele Baginski - a gaúcha que está recriando a ARENA!

Cibele pretende recriar partido do tempo da ditadura militar

Hélmiton Prateado

16/12/2012 - A Aliança Renovadora Nacional (Arena) foi o partido político da situação durante o período da ditadura militar (1964-1985), mas foi extinto com a volta do multipartidarismo em 1979. Pois um grupo quer recriar a sigla com um discurso de ser “um partido de direita e que traz a lembrança de um tempo em que se tinham mais convicções”.

A principal liderança que desponta para esse novo partido, cuja ideia de recriação surgiu no Rio Grande do Sul, não é nenhum estereótipo de político retrógrado e conservador. Ao contrário: é uma mulher jovem que seria facilmente confundida com uma estudante de Sociologia, de ideias esquerdistas e distante do figurino de simpatizante de partido conservador.

Cibele Bumel Baginski é gaúcha de Porto Alegre, tem 23 anos, solteira e revela não estar namorando no momento para não prejudicar os estudos de Direito na Faculdade de Caxias do Sul, onde mora. Com os cabelos pintados de uma discreta cor vermelha e usando anéis de cobra, aparenta fragilidade, mas ao revelar sua postura política e capacidade de articulação comprova ser séria candidata a estrela de primeira grandeza na constelação política nacional em breve.

Ela esteve este final de semana em Goiânia para lançar a ideia de recriar a Arena e falou do norte político que a legenda pretende para aglutinar novos militantes.

DM – Qual a razão de recriar um partido que remete ao tempo da ditadura militar?

Cibele Baginski – O nome foi definido em uma votação do grupo que estava pensando em criar uma nova sigla. De oito ou nove nomes sugeridos, um foi Arena [e foi esse] que venceu a disputa. Esse nome de partido nos remete a um tempo em que havia mais convicções políticas.

DM – Ideologicamente como esse partido se alinha?

Cibele Baginski – Lembramos da Arena como partido de valores como coerência, seriedade (que hoje está em baixa com a política muito desmoralizada) e em que havia mais franqueza na política. O fisiologismo que impera hoje é um dos maiores problemas, porque os partidos ficam sem identidade. Só trabalham para se manter no conforto que estão e não pensam no futuro do País. A maior riqueza que temos para deixar a nossos filhos é um País bem montado. Os partidos só pensam em se manter para a próxima eleição e não para a próxima geração. Sabemos que é difícil de se mudar, mas é necessário ir tentando, pois é com o silêncio dos bons que os maus crescem.

DM – O partido surge como de direita?

Cibele Baginski – Estatutariamente o partido surge como de direita. A direita hoje no Brasil está acanhada e com vergonha de se mostrar. Em nosso estatuto definimos como pilares o conservadorismo, a estabilidade da sociedade para buscar o progresso, o nacionalismo e o tecnoprogressismo. Montamos o programa sobre essas bases para não deixar de contemplar o ideário de direita.

DM – Como vocês, que defendem o conservadorismo, se posicionam sobre questões modernas como Direitos Humanos e união civil de pessoas de mesmo sexo?

Cibele Baginski – Direitos Humanos é uma bandeira que existe para garantir benefícios a todos. O que as esquerdas têm feito é criar privilégios para determinados grupos, gerando tensão social e desrespeitos enormes. O que queremos é que todas as pessoas tenham direito à dignidade, sem exceção. Quanto à união homoafetiva, isto não é do interesse do Estado. O que as pessoas fazem entre quatro paredes não é do interesse do Estado. O que fazem em suas vidas íntimas diz respeito somente a elas e não é algo para ser pavoneado pelas ruas, pois seria da alçada do Código Penal como ato obsceno. Vemos que a sociedade não está preparada para isto. Particularmente vejo como não sendo o ideal, porque o casamento visa a formação de uma família com filhos e não se gera família se não se pode ter filhos - este é o primeiro empecilho que vejo.

DM – A Arena foi o partido da ditadura militar. Isto não é um estigma para vocês buscarem esse nome para um novo partido?

Cibele Baginski – Tudo tem um lado negativo e outro positivo. A mídia ruim que existe para esse nome existe também para outros partidos. A nova Arena veio para apresentar soluções para o Brasil e esses estigmas passam a ser irrelevantes. O nome provoca as pessoas a tomarem uma posição: ou gosta ou não gosta, não tem aquela coisa de negociar e nos obriga a ter coerência.

Norma obriga cartórios de SP a celebrarem casamento gay

Em São Paulo, casais gays não precisarão mais ter de registrar primeiro
a união estável para depois solicitarem a conversão em casamento

Agência Estado
 
19/12/2012 - Todos os cartórios do Estado de São Paulo terão de habilitar obrigatoriamente homossexuais para o casamento civil. O Diário Eletrônico da Justiça publicou nesta terça-feira (18) alterações nas Normas de Serviço da Corregedoria-Geral que aplicam ao casamento ou à conversão de união estável em casamento de pessoas do mesmo sexo as regras exigidas de heterossexuais. A medida entra em vigor em 60 dias.

Os casais homossexuais não precisarão mais ter de registrar primeiramente a união estável para depois solicitar a conversão em casamento. Nem terão de recorrer à Justiça para garantir o casamento ou a conversão da união. Basta ir diretamente ao cartório de registro de pessoas naturais e solicitar a habilitação para o casamento.

O procedimento da Corregedoria pacifica decisões judiciais. Em setembro, um acórdão do Conselho Superior da Magistratura determinara o registro de casamento entre pessoas do mesmo sexo em São Paulo em todos os cartórios.

A norma administrativa terá efeito vinculante. “Agora, há a dispensa de provocação judicial. Os cartórios terão a obrigação de cumprir a regra”, explica Alberto Gentil de Almeida Pedroso, juiz assessor da Corregedoria. Recusas serão revistas pelo juiz-corregedor do cartório.

O vice-presidente da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP), Luis Carlos Vendramin Junior, diz que a entidade apoia a medida. “Desde o reconhecimento da união estável homoafetiva (no Supremo Tribunal Federal em maio de 2011), a Arpen defende o registro do casamento homossexual. Não precisa nem mudar a lei, porque o STF já disse que é inconstitucional negar a união”, diz Vendramin. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

ENTENDA A NOTÍCIA

A norma da Corregedoria da Justiça paulista abre precedente para a mudança das normas em outros Estados e deverá servir de referência para eliminar resistências nos cartórios de registro de pessoas naturais.

Saiba mais

No dia 9 de dezembro, 92 casais homossexuais oficializaram em uma cerimônia coletiva, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), o reconhecimento judicial de união estável.

A celebração ocorreu na véspera do Dia Internacional dos Direitos Humanos, festejado anualmente em 10 de dezembro.

TJ-RJ realiza maior cerimônia coletiva de uniões estáveis homoafetivas do mundo

 
O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) e o governo do Estado realizaram neste último domingo (9) a 3ª cerimônia coletiva de uniões estáveis homoafetivas. Desta vez, a ação reuniu cerca de 100 casais de diversos municípios do estado, número duas vezes maior do que o registrado na última cerimônia, que aconteceu em julho.

Os casais estavam acompanhados de familiares e amigos e foram presenteados, na abertura da cerimônia, com a performance da atriz e cantora Jane Di Castro, que preparou um repertório especialmente para a data, além de brindar a todos com sua interpretação do Hino Nacional.

A desembargadora aposentada e presidenta da Comissão Especial da Diversidade Sexual do Conselho Federal da OAB, Maria Berenice Dias, foi uma das madrinhas simbólicas dos casais. A desembargadora Cristina Gaulia fez a leitura da sentença de união estável, junto com a juíza Cristiana Faria, que a auxiliou na condução da cerimônia.

O superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos e Coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, juntamente com seu cônjuge João Silva, puxaram o momento do beijo entre os casais.  Além disso, o ato contou com as presenças de Luciana Mota, coordenadora do NUDIVERSIS, da Defensoria Pública do Estado do RJ, e do novo secretário de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Zaqueu Teixeira.

Servidores públicos homossexuais do Tribunal de Justiça do Rio também estavam entre as pessoas que selaram a união estável com seus parceiros (as). A iniciativa partiu do próprio TJ, que decidiu incentivar seus funcionários a participarem da cerimônia e regularizarem suas uniões.
 
“É louvável que o Tribunal de Justiça do Rio incentive seus servidores a participar da cerimônia, valorizando ainda mais esse evento. A parceria da SUPERDIR/SEASDH, do DEAP do TJ/RJ e do NUDIVERSIS da DPGE/RJ é um grande ganho na busca pela cidadania plena da população LGBT”, comentou o superintendente Cláudio Nascimento, que coordena esta ação, que faz parte do Programa Rio Sem Homofobia.

A cerimônia foi realizada um dia após o dia Nacional da Família (8) e um dia antes do Dia Internacional dos Direitos Humanos, festejado no dia 10 de dezembro, dando um significado especial à celebração.

“Estamos diante de um momento ímpar na história nosso país, no qual lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais vem consolidando seus direitos à cidadania plena. O evento deste domingo é a perfeita tradução desse momento, quando vemos casais homoafetivos reafirmando um direito já conquistado junto ao STF, dando visibilidade à essa conquista e servindo de exemplo para que outros casais façam o mesmo. Com essa cerimônia, que é a maior realizada no mundo, damos continuidade aos avanços conquistados na área dos direitos civis e humanos da comunidade LGBT”, ressaltou Cláudio Nascimento.

A cerimônia aconteceu às 15h, no auditório do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, localizado na Rua Dom Manuel, 37, no Centro da cidade.


Terroristas islâmicos matam mais 10 cristãos na Nigéria

 Terrorista do grupo terrorista islâmico nigeriano "Boko Haram"

Os dez cristãos assassinados foram degolados por membros da seita Boko Haram. Grupo quer criar estado islâmico no norte e já matou mil pessoas desde 2010.


Terroristas islâmicos promoveram ataques durante a noite no nordeste da Nigéria, matando 10 cristãos com armas e facões e queimando suas casas, disseram testemunhas no último domingo (2/nov). Segundo a agência France Presse, as vítimas foram degoladas.

O ataque aconteceu em um vilarejo chamado Chibok, em uma parte remota do nordeste do Estado de Borno, no centro de um revolta islâmica liderada pela seita Boko Haram.

"Suspeitos de Boko Haram vieram à noite e queimaram as casas das pessoas antes de matar suas vítimas", disse Nuhu Clark, um ex-vereador da aldeia, que escapou do ataque. Ele disse que contou 10 corpos depois.

Um porta-voz da polícia confirmou o incidente, mas disse que o número de vítimas ainda não foi verificado.

Terroristas islâmicos já mataram centenas de pessoas desde o início de uma revolta contra o governo em 2009. Os alvos habituais são membros das forças de segurança, funcionários do governo ou cristãos, que Boko Haram considera como infiéis. A instabilidade gerada pelos conflitos também abriu caminho para organizações criminosas - as quais nada têm a ver com a seita - matem e roubem.

Em um outro incidente, terroristas incendiaram três igrejas no sábado, disse o comerciante Umar Abubakar, que testemunhou o ataque. Tais ataques contra cristãos parecem calculados para inflamar as tensões sectárias no país mais populoso da África, que é dividido entre muçulmanos e cristãos. A maioria deles vive lado a lado em paz, apesar de episódios de violência entre as comunidades que, por vezes, se intensificam.

Boko Haram, que quer criar um Estado islâmico no norte da Nigéria, foi responsabilizado por mais de 1 mil mortes desde que sua revolta se intensificou em 2010. Os Estados Unidos classificaram três membros seniores de Boko Haram como terroristas.

Fonte: G1, Reuters e outras.

Sinais dos Tempos: Águas se tornando Sangue!



(E essa foi só uma pequena amostra do que ainda está por vir...)



"E o segundo anjo derramou a sua taça no mar, que se tornou em sangue como de um morto, e morreu no mar toda a alma vivente. E o terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue."
(Apocalipse 16:3-4)


Referências e links relacionados:
http://portuguese.ruvr.ru/2012_08_24/india-chuva-vermelha/
http://portaldt.com/chuva-de-sangue-cai-sobre-o-norte-da-europa/
http://news.xinhuanet.com/english/photo/2012-08/11/c_131777679.htm
http://arquivoufo.com.br/2012/07/23/chuva-vermelha-cai-sobre-a-india/
http://www.designboom.com/art/lake-in-camargue-france-turns-blood-red/
http://www.thesun.co.uk/sol/homepage/news/4668853/bondi-beach-red-algae.html
http://ovnihoje.com/2012/02/18/beirut-libano-rio-misteriosamente-fica-vermelho/
http://www.huffingtonpost.com/2012/08/13/lake-in-france-turns-blood-red_n_1773202.html
http://www.huffingtonpost.co.uk/2012/08/14/blood-red-lake-south-france-camargue_n_1775048.html
http://articles.nydailynews.com/2012-08-09/news/33122379_1_blue-water-natural-phenomenon-red-rice
http://www.tecmundo.com.br/mega-curioso/29787-fim-dos-tempos-maior-rio-da-asia-aparece-misteriosamente-vermelho.htm
http://www.dailymail.co.uk/news/article-2240843/Mysterious-algae-turned-Sydneys-beaches-blood-red-glows-BLUE-night.html
http://www.em.com.br/app/galeria-de-fotos/2012/11/27/interna_galeriafotos,3101/proliferacao-de-algas-fecha-praias-na-australia.shtml
http://www.dailymail.co.uk/news/article-2199800/The-river-DID-run-red-Residents-Chinese-city-left-baffled-Yangtze-turns-scarlet.html
http://www.telegraph.co.uk/news/picturegalleries/worldnews/9528500/Red-China-a-section-of-the-Yangtze-River-turns-red-in-Chongqing-China.html
http://www.dailymail.co.uk/news/article-2239040/Crimson-tides-Tourists-flee-Bondi-Beach-Red-Sea-rare-algae-bloom-turns-water-colour-blood.html

João 14

 Jesus é o único caminho que conduz os homens até Deus.

Jesus:
- Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito, pois vou preparar-vos lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver, estejais vós também. Mesmo vós sabeis para onde vou e conheceis o caminho.

Tomé:
- Senhor, nós não sabemos para onde vais e como podemos saber o caminho?

Jesus:
- Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim. Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis e o tendes visto.

- Filipe:
Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.

Jesus:
- Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras.
- Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai. E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.
- Se me amardes, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.
- Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais, mas vós me vereis; porque eu vivo, e vós vivereis. Naquele dia, conhecereis que estou em meu Pai, e vós, em mim, e eu, em vós.
- Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, este é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele.

Judas (não o Iscariotes):
- Senhor, de onde vem que te hás de manifestar a nós e não ao mundo?

Jesus:
- Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada.
- Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou. Tenho-vos dito isso, estando convosco. Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.
- Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá.
- Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. Ouvistes o que eu vos disse: vou e venho para vós. Se me amásseis, certamente, exultaríeis por ter dito: vou para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. Eu vo-lo disse, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.
- Já não falarei muito convosco, porque se aproxima o príncipe deste mundo e nada tem em mim. Mas é para que o mundo saiba que eu amo o Pai e que faço como o Pai me mandou.
- Levantai-vos, vamo-nos daqui.

O caminho para a salvação é estreito, e poucos são os que o encontram.


Fonte: João 14:1-31.

Besouro do Deserto Inspira um Design Premiado


O designer Kitae Pak se inspirou em um besouro do deserto para criar a Dew Bank Bottle (garrafa de armazenamento de orvalho) para pessoas que vivem em áreas sem acesso à água.

Ela funciona exatamente do mesmo modo que o besouro Onymacris unguicularis do deserto da Namíbia, formando orvalho em seu próprio corpo.

A Dew Bank Bottle absorve esse orvalho da manhã e o armazena imediatamente em seu interior.

Fotos abaixo.








O vídeo abaixo mostra como o besouro faz para obter sua própria água.

video

O projeto de Kitae Pak ficou em terceiro lugar no Idea Design Awards 2010.

Fonte: FastNews Web e PSFK.


Links relacionados:
- Toda Criação Indica a Sabedoria do seu Criador

Ator da série "Dois Homens e Meio"' faz campanha contra o programa


O ator Angus T. Jones (19 anos), mais conhecido por interpretar há nove anos o personagem Jake Harper, sobrinho de Charlie Harper (Charlie Sheen) na desbocada série cômica de TV "Dois Homens e Meio" ("Two and a Half Men"), pediu aos telespectadores que mudem de canal, alegando que suas recentes convicções religiosas são incompatíveis com o papel que ele interpreta na série, como um adolescente desencanado.

Em um vídeo gravado para a Igreja Cristã Precursora, da Califórnia e divulgado pelo YouTube, Jones pede aos fãs que parem de assistir ao programa e de "encher a cabeça de vocês com sujeira".

"Se você assiste a ‘Two and a Half Men', por favor pare", diz Jones no vídeo. "Estou em ‘Two and a Half Men' e não quero estar nele. Se estou fazendo algum mal, não quero estar aqui. Não quero contribuir com o plano do inimigo. Não se pode ser uma verdadeira pessoa temente a Deus e estar num programa de televisão como aqueles."

"Não estou bem com o que estou aprendendo, com o que a Bíblia diz e com o que está naquele programa de TV", acrescentou.

A rede CBS e a produtora Warner Bros Television não quiseram comentar as declarações, que podem criar um novo problema para a popular série. Em 2011, o programa precisou passar por uma reformulação devido à demissão do protagonista Charlie Sheen, substituído por Ashton Kutcher.

Quão grande é Deus?

Foto: açúcar mascavo-facebook

Procurador desocupado decide perseguir… Deus!


Volte e meia, tudo indica, o procurador Jefferson Aparecido Dias, do Ministério Público Federal, fica com síndrome de abstinência dos holofotes e decide, então, inventar uma causa para virar notícia. Aprendeu, com a experiência, que dar uns cascudos em Deus — nada menos — ou na fé de mais de 90% dos brasileiros, que são cristãos, rende-lhe bons dividendos. Eventualmente ele pode juntar o combate à religião a alguma outra causa politicamente correta (já chego lá), e aí tem barulho garantido. E, por óbvio, granjeia o apoio de amplos setores da imprensa, que podem até admirar o lulo-petismo, mas acham que religião é mesmo um atraso… Acham legítima a fé num demiurgo mixuruca, mas não em Deus. Entendo. É uma questão de padrão intelectual.

A mais nova e essencial decisão deste senhor, da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, de São Paulo, foi entrar com uma ação civil pública para retirar das notas do real a expressão “Deus seja louvado”. É o mesmo rapaz que de mobilizou para caçar e cassar todos os crucifixos de prédios públicos, lembram-se? Também foi ele que tentou, sem sucesso, levar o pastor Silas Malafaia às barras dos tribunais quando este protestou contra o uso de santos católicos em situações homoeróticas numa parada gay. Referindo-se a ações na Justiça, o pastor afirmou que a Igreja Católica deveria “baixar o porrete” e “entrar de pau” nos organizadores do evento. O contexto deixava claríssimo que se referia a ações na Justiça. O procurador, no entanto, decidiu acusar o religioso de incitamento à violência. Era tal o ridículo da assertiva que a ação foi simplesmente extinta. Eis Jefferson Aparecido Dias! Eu o imagino levando os recortes de jornal para as tias: “Este sou eu…”

Jefferson é um homem destemido. Não tem receio de demonstrar a sua brutal e profunda ignorância. É do tipo que diz bobagens de peito aberto. Depois de gastar dinheiro dos contribuintes com a questão do crucifixo e com a tentativa de ação contra Malafaia, ele agora se volta para as notas do real. E justifica a sua ação com esta boçalidade intelectual:
“A manutenção da expressão ‘Deus seja louvado’ [...] configura uma predileção pelas religiões adoradoras de Deus como divindade suprema, fato que, sem dúvida, impede a coexistência em condições igualitárias de todas as religiões cultuadas em solo brasileiro (…). Imaginemos a cédula de real com as seguintes expressões: ‘Alá seja louvado’, ‘Buda seja louvado’, ‘Salve Oxóssi’, ‘Salve Lord Ganesha’, ‘Deus não existe’. Com certeza haveria agitação na sociedade brasileira em razão do constrangimento sofrido pelos cidadãos crentes em Deus”.

Como se nota, trata-se de uma ignorância cultivada com esmero, com dedicação, com afeto até. Jefferson é do tipo que ama as tolices que diz, o que é demonstrado pelo recurso da enumeração. Trata-se, assim, para ficar no clima destes dias, de uma espécie de continuidade delitiva do argumento.

Vamos ver.

O procurador é o tipo de temperamento que gosta de propor remédios para males que não existem, o que é próprio de certas mentalidades autoritárias. Em que a expressão “Deus seja louvado” impede “a coexistência em condições igualitárias” de todas as religiões? Cadê os confrontos? Onde estão os enfrentamentos? Apontem-me as situações em que as demais religiões, em razão dessa expressão, passaram por um processo de intimidação. Em tempo: Alá é Deus, doutor! Vá estudar!

Não sei que idade tem este senhor, mas sei, com certeza, que ele se formou na era em que o “princípio da igualdade” tem de se sobrepor a qualquer outro, mesmo ao princípio da realidade e da verdade. Ora, “Deus” — sim, o cristão! — tem, para as esmagadora maioria dos brasileiros, uma importância cultural, moral, ética e religiosa que aqueles outros símbolos religiosos não têm. Todos os brasileiros são iguais no direito de expressar a sua fé — e isso está assegurado pelo Inciso VI do Artigo 5º da Constituição, a saber:
“VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;”

Ocorre, doutor Jefferson, que a mesma Constituição que garante essa liberdade — e que assegura a liberdade de expressão, aquela que o senhor tentou cassar do pastor Malafaia — também tem o seguinte preâmbulo:
“Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembleia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.”

Como é que o doutor Jefferson tem o topete de evocar uma Constituição promulgada “sob a proteção de Deus” para banir das notas do real a expressão “Deus seja louvado”, sustentando que ela “impede a coexistência em condições igualitárias de todas as religiões”? Doutor Jefferson é macho o bastante (em sentido figurado, claro, como o emprega o povo) para dar início a um movimento para cassar Deus da Constituição? Ou, acovardado, ele se limita a perseguir crucifixos em repartições públicas e a expressão genérica da fé em cédulas de dinheiro?

A Constituição que tem “Deus” em seu preâmbulo persegue ou protege os crentes em Oxóssi?
A Constituição que tem “Deus” em seu preâmbulo persegue ou protege os crentes em Lord Ganesha?
A Constituição que tem “Deus” em seu preâmbulo persegue ou protege os ateus?

O nome disso é intolerância. Esse mesmo procurador já tentou processar um outro pastor evangélicos que atacou o ateísmo — ainda que o tenha feito em termos impróprios. Já me ocupei de doutor Jefferson neste blog algumas vezes no passado. Quase invariavelmente, ele comparece ao noticiário tratando de questões dessa natureza, o que, fica evidente, caracteriza uma militância. O que me pergunto é se este senhor, ele sim!, por ser eventualmente ateu (e é um direito seu), não tenta usar uma posição de autoridade que conquistou no estado brasileiro para impor a sua convicção.

Maiorias, minorais e respeito
Nas democracias, prevalece a vontade da maioria na escolha dos mandatários e, frequentemente, no conteúdo das leis. Elas também se fazem presentes nos costumes e nos valores. Mas o regime só será democrático se os direitos das minorias forem garantidos. Haver na cédula do real a expressão “Deus seja louvado” significa, sim, que este é um país em que a esmagadora maioria acredita em Deus, mas não caracteriza, de modo nenhum, supressão dos direitos daqueles que não acreditam em Deus nenhum, que acreditam em vários deuses ou que simplesmente acham a religião uma perda de tempo. Em sociedade, a afirmação positiva de um valor não implica, necessariamente, a cassação da expressão de quem pensa de modo diferente.

Ora, seria mesmo um despropósito, meu senhor, que houvesse, no Brasil, com a história e com o povo que tem, algo como “Lord Ganescha seja louvado” ou “Oxóssi seja louvado” pela simples e óbvia razão de que essas, quando considerada a sociedade brasileira no seu conjunto, são crenças de exceção, que traduzem escolhas e convicções da minoria do povo. O Brasil é uma nação de maioria cristã, o que o doutor não conseguirá mudar. O que se exige é que essa nação resguarde os direitos de quem quer cultuar outras divindades e deuses ou deus nenhum. E isso está garantido pela Constituição Brasileira, promulgada “sob a proteção de Deus”.

Finalmente, o argumento de que o estado é laico — e, felizmente, é mesmo! — não deve servir de pretexto para que se persigam as religiões. Um estado laico não significa um estado ateu, que estivesse empenhado em combater as religiões. A sua laicidade é afirmativa, não negativa; ela assegura a livre expressão da religiosidade, em vez de reprimir a todos igualmente. Entendeu a diferença, doutor?

Sei que a questão parece menor, quase irrelevante. Mas não é, não! Essa é apenas uma das vezes em que supostos iluministas, falando em nome da razão, tentam impor uma espécie de censura da neutralidade ao conjunto da sociedade. Pretendem que escolhas com viés ideológico sejam apenas as alheias, a de seus adversários. Promovem permanentemente uma espécie de guerra cultural contra os valores da maioria para poder acusá-la de autoritária.

Como sabemos, a cada vez que os ingleses cantam “God save our gracious Queen” e se ouve o eco lá naquele “novo continente” — “And this be our motto: ‘In God is our trust’” —, o que se tem é a voz da ditadura cristã dominando o mundo, não é mesmo?

Deveria haver um limite para o ridículo, mas não há! Parece que o que falta ao procurador é serviço!

Fonte: Blog do Reinaldo Azevedo.



Link relacionado:

- "Deus [NÃO] seja [MAIS] louvado" nas cédulas de Real
http://gif15.blogspot.com.br/2012/03/deus-nao-seja-mais-louvado-nas-cedulas.html

Novo Papa (na Igreja Ortodoxa Copta)

Menino vendado escolheu um papel com o nome do bispo Tawadros,
eleito então o novo papa copta

Foi uma cerimônia excepcional. A antiga liturgia do serviço religioso na Catedral de São Marcos, no Cairo, foi cenário de um ritual ainda mais extraordinário. Um menino foi escolhido, levado ao altar, e vendado. Ele então pegou um entre três pedaços de papel colocados em um recipiente. O papel foi mostrado à congregação. Nele estava o nome do bispo Tawadros, que assim se converteu no 118º papa da Igreja Ortodoxa Copta do Egito. A congregação explodiu em aplausos espontâneos.

Pode parecer uma maneira estranha de escolher o novo líder dos quase 10 milhões de cristãos coptas do Egito – e muitos mais espalhados pelo mundo. Mas a Igreja Copta acredita que desta maneira se revela a mão de Deus. Esta também é a visão de Youssef Sidhom, editor do periódico copta Watani.

"Nós mostramos três ao céu e pedimos que escolha um deles", diz.
Mudança e tradição

O novo papa é um bispo de 60 anos. Ele estudou na Grã-Bretanha e trabalhou no Egito e em outros países. Ele até mesmo comandou uma fábrica de medicamentos, e é um homem de ampla experiência e um administrador reconhecido. Apesar disso, ninguém acredita que ele trará mudanças radicais a essa Igreja profundamente conservadora.

Um analista me disse que a única mudança introduzida na Igreja nos últimos anos foi a aceitação do uso de cadeiras, um ato de misericórdia, já que os cultos religiosos podem se estender por quatro ou cinco horas. A antiga liturgia ainda é realizada no idioma copta, pouco compreendido pela maioria dos egícios. Na saída de uma celebração religiosa em uma igreja do Cairo nesta semana, os membros da congregação se uniam na oposição a qualquer ideia de mudança.

"Esta é uma Igreja tradicional", disse Nader.

"Nós gostamos do jeito que está, nós realmente gostamos desta maneira", afirmou Miriam.
 
 Bispo Tawadros (em cartaz ao fundo), de 60 anos, foi escolhido o novo papa
 
Transformação

No entanto, o novo papa terá de lidar com um Egito em rápida transformação e uma comunidade ansiosa sobre seu próprio papel nessas mudanças. O papa Shenouda 3°, morto em março deste ano, era um papa muito político. Teve problemas com o presidente Anwar al-Sadat, sendo forçado a um auto-exílio internamente durante muitos anos. Depois, formou uma forte aliança com o então presidente Hosni Mubarak, acreditando que esta era a melhor maneira de proteger os cristãos do Egito.

Muitos líderes coptas acreditam que agora o novo papa deveria desempenhar um papel menos político. Ativistas como Michael Munir esperam que os coptas possam ter suas vozes ouvidas ao ganhar mais assentos no Parlamento agora eleito democraticamente. O novo papa, porém, talvez deva deixar claro imediatamente seu ponto de vista sobre o tamanho do papel que a lei islâmica, a Sharia, deve desempenhar na nova Constituição atualmente em negociação.

Também terá de abrandar os temores de que os coptas podem ser deixados de lado nos empregos do governo e mesmo de que novos confrontos sectários possam eclodir.
Problemas

Após a euforia com a revolução que tirou Mubarak do poder no ano passado, os coptas estão nervosos. Como todos os egípcios, estão sofrendo com a situação econômica difícil. Viram a Irmandade Muçulmana chegar ao poder e políticos islâmicos linha-dura pressionarem por medidas radicais.

Esta também é uma época de oportunidades para o Egito. O país tem um vasto potencial a ser explorado – se a economia e a educação começarem a ser reformadas. E até agora os piores temores dos cristãos coptas do Egito não se materializaram. Eles esperam agora que um novo papa possa liderá-los rumo a um futuro de segurança neste país que está sendo reconstruído e transformado.

Apesar desse ritual ancestral, problemas bem modernos esperam pelo novo papa copta.

Fonte: BBC.

31/10 - Dia da Reforma Protestante


Justin Holcomb

No dia 31 de outubro, milhões de pessoas celebram pelo mundo o feriado de Halloween, mas pouca gente sabe que nessa data também se comemora o Dia da Reforma Protestante, lembrando o ato histórico de Martinho Lutero ao colocar suas 95 teses na porta da Catedral de Wittenberg, Alemanha, em 31 de outubro de 1517.

A REFORMA NÃO INTENCIONAL
 
As teses de Lutero foram vistas como um ato de rebeldia para com a autoridade da Igreja Católica Romana de sua época, a medida de que ele se opunha à veracidade das práticas da igreja, como a venda de indulgências e o ensino da Igreja sobre a autoridade do Papa, a autoridade das Escrituras, purgatório, e o perdão dos pecados. Lutero, que na época era um humilde professor de teologia, não planejava que suas 95 Teses fossem chamadas de Reforma, ele não queria causar uma separação dentro da igreja. Entretanto, suas idéias eram controversas pois ele havia questionado a autoridade da igreja. Utilizando-se da mais nova tecnologia de impressão e da situação cultural do início do século XVI, as ideias de Lutero foram difundidas por toda Alemanha e pelo resto da Europa, estimulando a Reforma Protestante.

A Reforma Protestante marcou uma colossal mudança nas posturas sobre autoridade espiritual, a natureza da igreja, e a doutrina bíblica. O século que veio antes da Reforma foi marcado por um comum medo com a corrupção dos líderes na igreja e com falsas doutrinas, ignorância bíblica, e superstições. Alguns monges, padres, bispos, e papas na Igreja Católica Romana ensinavam doutrinas não-bíblicas incluindo a venda de indulgencies e salvação através da fé somada a boas obras.

Em um nível mais profundo, esse assunto foi direcionado pela redescoberta da doutrina bíblica da justificação.

Pessoas espiritualmente sérias eram ensinadas a justificar a si mesmas com trabalhos generosos, peregrinação, e todo tipo de devoção e performances religiosas. Eles eram encorajados a adquirir o religioso “título (mérito)” que estava sobre posse da igreja, comprando “certificados de indulgência”. Isso os deixava pensando se tinham feito ou pagado o suficiente para apaziguar a justiça de Deus e escapar do julgamento.

Outros membros da Igreja Católica Romana reconheceram os problemas e convocaram a reforma, mas os presentes de Lutero, a tecnologia de impressão, e a situação social na Alemanha combinadas para fazer as ações de Lutero se espalharem, na linguagem popular, “colocou o mundo inteiro em chamas”.

O CORAÇÃO DO PROBLEMA
Num nível, a questão principal era a autoridade espiritual: é o Papa e os concílios da igreja que definem a fé cristã, ou é somente a Bíblia? Entretanto, num nível mais profundo, esta questão era dirigida pela redescoberta da doutrina bíblia da justificação – salvação somente pela graça através da fé somente em Cristo somente.

Foi por ver as pessoas sofrendo sob o peso da incerteza sobre se haviam feito o suficiente para agradar a Deus que o desejo de Lutero de refocar a igreja na salvação pela graça, através da fé, pelos méritos de Cristo, pela imputação da retidão de Cristo em nós, foi impelido. Àqueles espiritualmente oprimidos pelas indulgências e que não tinham a segurança da graça de Deus, Lutero proclamou livre graça aos verdadeiros santos de Deus: “Deus não recebe ninguém além daqueles que são esquecidos, não restaura a saúde de ninguém além daqueles que estão doentes, não dá visão a ninguém senão aos cegos, e não dá vida a ninguém além dos mortos. Ele não dá santidade a ninguém além de pecadores, nem sabedoria a ninguém além dos insensatos. Em resumo: ele não tem misericórdia de ninguém além dos miseráveis e não dá graça a ninguém além daqueles que estão em desgraça. Portanto, nenhum santo arrogante, ou justo ou homem sábio pode ser material para Deus, nem pode fazer a obra de Deus, mas permanence confinado em sua própria obra e faz de si mesmo um fictício, ostensivo, falso e enganador santo, isto é, um hipócrita. No lugar de um tesouro de mérito à venda, Lutero declarou que “O verdadeiro tesouro da Igreja é o Santíssimo Evangelho da glória e da graça de Deus”.
 (traduzido por João Pedro Cavani e Yuri Pena.
Leia o original aqui)

Extraído e adaptado de Pense+.

Atentado no Líbano

Pelos frutos se conhece a árvore:



(Photo via L'Orient-Le Jour Facebook page)


(Photo via @NMSyria)


(Photo via @Jeanassy)


(Photo via @Jeanassy)


(Photo via @Actualidad - source: AFP)


(Photo via @Jeanassy)


(Photo via @Jeanassy)


(Photo via @Jeanassy)


(Photo via @YorgoElBittar)


(Photo via @JourinKeelo)


(Photo via @Yasmineryan)


(Photo via @Chadyaj)


(Photo via @YorgoElBittar)


(Photo via @YorgoelBittar)


(Photo via @Diaydi)


(Photo via @Arabear)

 
 
 
Explosion Rocks Achrafieh
 

Link relacionado:
- Alta autoridade de segurança morre em atentado na capital do Líbano
 http://g1.globo.com/revolta-arabe/noticia/2012/10/alta-autoridade-de-seguranca-morre-em-atentado-na-capital-do-libano.html

Líderes de Amanhã


As crianças de agora serão os adultos de amanhã.

"Casamento Coletivo" reúne 47 casais gays em SP

 

O governo do Estado de São Paulo oficializou na noite de 28 de setembro, uma sexta-feira, a união estável de quarenta e sete casais homossexuais numa cerimônia coletiva no Centro de Tradições Nordestinas (CTN), no bairro do Limão, zona norte da capital.

Todos os casais - 32 formados por mulheres e 15 por homens - receberam DE GRAÇA escrituras de união homoafetiva expedidas por um cartório da capital. A isenção das taxas normalmente praticadas foi fruto de um acordo entre o governo de SP, a Defensoria Pública e o cartório que ficou responsável por fazer as escrituras.

Os casais gays que participaram da cerimônia terão status semelhante ao de uniões formalizadas em um casamento civil: puderam escolher o regime de comunhão de bens (parcial, total ou separação total), nome social e ainda há uma possibilidade de converter um dia essa união estável em casamento (a lei brasileira atual por enquanto ainda não permite essa conversão...).

O evento foi promovido pela Coordenação da Diversidade Sexual e pelo Centro de Integração da Cidadania, ambos parte da Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo. 

Em agosto, todos os casais inscritos participaram de uma palestra com integrantes da Defensoria Pública de SP.

Fonte: Folha.com e Uol.

Links relacionados:
- Fortaleza promove mutirão para oficializar união entre casais gays
- Defensoria Pública e Secretaria de Justiça de SP promovem mutirão de uniões homoafetivas em junho

Russomanno perde eleição e culpa as redes sociais


A internet parece ter sido a grande responsável pela derrota do candidato Celso Russomanno (PRB) na atual eleição pra prefeito da cidade de São Paulo. Isso representa que o próprio povo denunciou e agiu para que ele não ganhasse.

Ele se mostrou forte, mas com as diversas campanhas mostrando seu envolvimento com a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), do bispo Edir Macedo, a sua candidatura acabou perdendo força na reta final.

Seus votos foram na maioria de seguidores dessa igreja, porém como se sabe, a Universal perde a cada dia mais fiéis em São Paulo, assim como perde sua força pelo Brasil. Seu envolvimento com dinheiro é constante e perturbador até mesmo para o cristianismo.

Uma das primeiras (e principais) páginas a atrapalhar a campanha de Russomanno foi esta:


Intitulada “Brasil Contra Igreja Universal”, já ultrapassou a marca de 40.000 seguidores - para desespero dos seguidores da Empresa Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). O crescimento da página é constante e demonstra a insatisfação do povo brasileiro.

Russomanno perdeu essa eleição, mas a maior vitória foi das redes sociais e da internet, que mostraram mais uma vez sua força e sua influência, e não apenas na cidade de São Paulo.

(Matéria escrita por: Audiência Aberta São Paulo)

Marinha russa será reforçada com “navio invisível”

Navio “Admiral Gorchkov”, da marinha russa
(Foto: nordsy.spb.ru)

Por Aleksêi Mikhailov, Izvéstia

(8/10/2012) - Construído com tecnologia stealth, o primeiro grande navio de guerra de fibra de carbono começará seus testes no mar de Barents no final de novembro. Trata-se da fragata “Almirante Gorchkov”, a embarcação principal do Projeto 22350.

O “Admiral Gorchkov”, primeiro navio da Marinha russa construído com a tecnologia stealth. Foto: nordsy.spb.ruUma fonte do Comando Geral da Marinha russa disse, em entrevista ao Izvéstia, que, após os testes iniciais, a fragata será entregue à 14ª brigada de navios de luta antissubmarina da Esquadra do Mar Norte.

Construído com a tecnologia stealth, o navio possui uma superestrutura feita de materiais compostos que absorvem ou permitem a penetração parcial das ondas de rádio, razão pela qual é invisível aos radares. 

“Esse é o primeiro grande navio desde 1987 projetado e construído inteiramente na Rússia. As fragatas invisíveis do projeto 22350 devem substituir os navios de luta antissubmarina oceânicos classificados pela Otan como Udaloi”, disse o especialista não identificado.

O “Admiral Gorchkov”, primeiro navio da Marinha russa construído com tal tecnologia, traz uma nova unidade de propulsão de turbina a gás e diesel que é mais econômica e proporciona melhores capacidades de aceleração.

Além disso, o navio possui muitos equipamentos eletrônicos que não existem nos outros veículos da mesma classe. Esse é seu ponto forte e, paralelamente, pois a Marinha não tem profissionais preparados para lidar com esse equipamento.

A ideia de construir navios de guerra reforçados com fibras de carbono dividiu a opinião de especialistas. Muitos oficiais da Marinha russa dizem que esse material é mais fraco do que o aço naval e duvidam que seja capaz de resistir às duras condições climáticas do extremo norte, como ventos fortes, temperaturas baixas e tempestades frequentes.

Já os engenheiros peterburguenses responsáveis pelo projeto não concordam com essa posição. Para eles, os testes com a superestrutura do navio e seus elementos isolados mostrou sua alta solidez e resistência a temperaturas elevadas.

Segundo o editor-chefe da revista “Vzliot” (“Decolagem”, em português), Vladímir Cherbakov, ainda não se sabe como o CFRP se comportará durante a operação do navio e em uma situação de combate.

“Atualmente, os materiais compósitos são usados em todas as áreas. Os testes com algumas partes do casco do navio na terra proporcionaram resultados impressionados”, disse Cherbakov.

O especialista relembra que algo semelhante havia acontecido com o alumínio durante a guerra nas Malvinas nos anos 80 do século passado. Verificou-se que os navios com superestruturas de alumínio ardiam facilmente. “Mais tarde, as marinhas de guerra de muitos países se recusaram a usar o alumínio na construção de superestruturas para seus navios”, acrescenta.

A fragata “Admiral Gorchkov” começou a ser construída no estaleiro de São Petersburgo em 2006 e foi colocada na água em outubro de 2010. Leva a bordo um canhão de 130 mm, 16 seis mísseis anti-navio “Oniks” e 16 mísseis anti-submarinos “Kalibr-NKE”, além de um sistema de mísseis antiaéreos “Polimer-Redut” e um helicóptero de luta antissubmarina Ka-27.
Originalmente publicado pelo jornal Izvéstia

Fonte: Gazeta Russa.

Toda Criação Indica a Sabedoria do seu Criador



Parando um pouco pra refletir sobre a vida...

Quanto mais descobertas faz a ciência, mais impressionados ficamos em relação à complexidade de nossa existência. Desde os primeiros instantes da nossa vida, tudo se direciona para ocupar o seu devido lugar, para cumprir a sua função específica, de forma a apoiar a nossa sobrevivência.

Mas quem ensinou o nosso coração a bater? E quem ensinou o nosso pulmão a puxar e soltar o ar? Quem inventou o choro, ou a gargalhada? Ou ainda: quem conduziu as centenas de ossos que formam o nosso corpo de forma a se disporem cada um no seu devido lugar?

E quanto às diversas outras partes visíveis do corpo humano: se cada uma delas recebesse um nome, seriam necessários cerca de 6 mil nomes para podermos identificá-las todas! E cada uma delas possui o seu propósito pré-definido, planejado (ou programado, em nosso DNA) antes mesmo de ser formada.

Cada minúscula célula tem uma missão a cumprir, assim como cada órgão tem a sua própria e indispensável finalidade. Se uma dessas minúsculas funcionar de forma anormal, todo o conjunto pode ser comprometido! Até mesmo a temperatura do nosso corpo tem uma razão de ser (conforme a ciência constatou recentemente*).

Fisicamente podemos ser comparados a máquinas muito bem planejadas, ecológicas, cujas operações aparentemente mais "simples" (e ao mesmo tempo, extremamente complexas) já estavam gravadas há muito tempo, replicadas por toda parte, numa espécie de memória orgânica minúscula, porém mais eficiente do que qualquer outra já inventada (conforme a ciência também constatou recentemente...**).

Somos a obra-prima de um artista misterioso, inigualável, quase inatingível! E apesar de nossos pensamentos viajarem há mais de 200 Km/h, e de nossos impulsos nervosos passarem dos 300 Km/h, perto dEle somos como uma gota de água num balde, ou como um grão de areia no meio de um grande deserto. Plantas que surgem numa manhã, mas que à tarde já secam e morrem.

Talvez nunca chegue o dia em que todos os mistérios da natureza sejam enfim revelados, o dia em que tudo o que pra nós agora parece estar envolto por sombras, se torne claro como a luz do dia. Mas à medida que mais detalhes da criação vão sendo desvendados, menos desculpas nossa geração terá para dar no dia do reencontro das criaturas com o seu Criador.

* http://hypescience.com/misterio-por-que-a-temperatura-media-do-nosso-corpo-e-36°c/
** http://hypescience.com/memoria-em-dna-700-terabytes-em-apenas-um-grama/


Obama Muçulmano?


“O FUTURO NÃO DEVE PERTENCER ÀQUELES QUE OFENDEM O PROFETA DO ISLÃ!”
(Obama)

- GRANDE! ELE ACABOU COM O MEU DISCURSO!
(Ahmadinejad)



Link relacionado:
- Obama at UN: "The future does not belong to those who slander the prophet of Islam" 
http://www.youtube.com/watch?v=T6uZFSj_ueM



Ps: Depois desse discurso do Obama na última Assembleia Geral da ONU, o presidente do Irã acabou ficando sem ter o que dizer...
:-)

Ataque Preventivo iraniano x Ataque Preventivo israelense

Brigadeiro-General Amir Ali Hajizadeh

DUBAI, 23 Set (Reuters) - O Irã poderia lançar um ataque preventivo contra Israel em retaliação a um plano de investida militar, afirmou o brigadeiro-general da Guarda Revolucionária iraniana, Amir Ali Hajizadeh, a uma rede de televisão estatal do país.

"O Irã não irá começar a guerra, mas poderia lançar um ataque preventivo se tivesse certeza de que os inimigos estão dando os toques finais para nos atacar", disse a rede de TV iraniana em língua árabe Al-Alam parafraseando o comandante militar.

Hajizadeh afirmou, segundo reportagem publicada na página de Internet da rede de TV, que qualquer ataque em solo iraniano poderia desencadear a Terceira Guerra Mundial.

"Não podemos imaginar o regime sionista começar uma guerra sem o apoio dos Estados Unidos. Por isso, no caso de uma guerra, nós entraremos em guerra contra ambos", disse. "Neste caso, ocorreriam coisas imprevisíveis e inimagináveis, e poderia se converter na Terceira Guerra Mundial", acrescentou.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, tem sinalizado de que poderia haver um ataque contra plantas nucleares do Irã e tem criticado a posição do presidente dos EUA Barack Obama favorável a sanções e diplomacia para evitar que o Irã construa uma bomba atômica.

Teerã nega que busque desenvolver armas atômicas e diz que seu programa nuclear é pacífico para gerar energia elétrica.

Fonte: Portal Terra.


Notícias relaconadas:

- Irã acusa a AIEA de vazar segredos a Israel
http://oglobo.globo.com/mundo/ira-acusa-aiea-de-vazar-segredos-israel-6176551

- Irã apresenta avião teleguiado de longo alcance, diz TV
http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI6179979-EI294,00-Ira+apresenta+aviao+teleguiado+de+longo+alcance+diz+TV.html

Aviso...


Pais gays são prejudiciais para as crianças?

Não é preciso ser conservador para ver que “diferentes”
significa, quase sempre, “pior”

Por Charles C. W. Cooke

Em seu novo estudo publicado pela Social Science Journal, Mark Regnerus faz uma pergunta: “Quão diferentes são os adultos criados por pais que possuem relacionamentos homossexuais?” A resposta para isso – tanto na literatura acadêmica quanto no imaginário do público americano – mudou dramaticamente em menos de uma geração. “Quinze anos atrás”, explicou Regnerus em um evento no neutro Institute for American Values, famílias biológicas heterossexuais eram “consideradas reflexivamente como o melhor ambiente para crianças”. Subsequentemente, isso deu lugar para a noção de que não havia “nenhuma diferença significativa” na criação de crianças em arranjos familiares não-tradicionais. Finalmente, sugeriu-se que crianças “podem se sair melhor sendo criadas por um casal gay”.

Ainda que haja pouquíssimas evidências que dão suporte a essa conclusão, defensores do casamento homossexual e da adoção gay declararam que a ciência já o provou. Talvez a mais famosa dessas declarações é um artigo de 2010, escrito pelos cientistas sociais Judith Stacey e Timothy Biblarz, que propalou que “baseado estritamente em publicações científicas, pode-se argumentar que duas mulheres criam uma criança melhor do que uma mulher e um homem, ou pelo menos uma mulher e um homem com uma divisão tradicional de papéis familiares”. Esse argumento – de que pais homossexuais são iguais ou melhores do que as estruturas familiares tradicionais – encontrou seu caminho em nosso diálogo acadêmico, legal e cultural, e raramente é questionado. Daí a declaração da Nona Corte de Apelação: “Crianças educadas por pais gays ou lésbicas podem ser tão saudáveis, bem-sucedidas e bem-ajustadas quanto crianças educadas por pais heterossexuais. Pesquisas que apontam para essa conclusão são indubitavelmente aceitas no campo da psicologia do desenvolvimento.”

O estudo de Regnerus foi desenvolvido para reexaminar essa questão – uma tarefa difícil, para dizer o mínimo – ao expandir a amostragem analisada e aprimorar a metodologia das pesquisas anteriores. O Censo dos EUA, por exemplo, coleta uma porção de informações úteis, mas, por não conter questões sobre orientação sexual, muito de sua contribuição ao assunto deve ser inferido. Da mesma forma, muitos estudos acadêmicos que utilizam a “técnica bola-de-neve” de amostragens pequenas – um processo no qual os sujeitos que participam do estudo recrutam pessoas conhecidas para participarem dele – podem ser confusos. Um desses estudos, abordado no artigo de Regnerus, analisou mulheres que leem jornais e frequentavam livrarias e eventos lésbicos; o problema com essa abordagem popular é que ela restringe a amostragem aos mais educados, ricos e socialmente similares, resultando em uma compreensão limitada. Estudos assim pulularam nos últimos anos.

Em busca de suas respostas, Regnerus entrevistou 15.088 pessoas. Destas, os pesquisadores encontraram 175 pessoas que foram criadas por mães que estavam em um relacionamento lésbico, e 73 pessoas que foram criadas por pais que tiveram relacionamentos gays – ainda assim, um grupo relativamente pequeno.

A primeira coisa que Regnerus descobriu foi que residências gays com crianças são localizadas nas mesmas áreas geográficas que os lares de casais heterossexuais com crianças. Ao contrário do que se pensa, não há concentração real de crianças onde gays vivem em massa. Por exemplo, como há poucas crianças nas residências de San Francisco, há também poucas crianças vivendo com gays em San Francisco. De fato, a Georgia é o estado com mais crianças vivendo com casais do mesmo sexo. Apesar da fama de serem menos amigos dos gays, os estados do Meio-Oeste americano estão bem representados na medição demográfica de casais gays com crianças. E, fazendo jus à tendência geral, casais gays latinos têm mais crianças do que casais gays brancos.

Regnerus descobriu que as crianças do estudo raramente passaram suas infâncias inteiras nas casas de seus pais gays e seus parceiros. Apenas dois dos 175 sujeitos que declararam ter a mãe em um relacionamento lésbico passaram toda a sua infância com o casal, e nenhuma criança estudada passou toda sua infância com dois homens gays. Os números também caem bastante quanto ao tempo decorrido: por exemplo, 57% das crianças passaram mais do que 4 meses com mães lésbicas, mas apenas 23% passaram mais de 3 anos com elas. Isso é muito interessante, mas tem implicações sérias para o estudo – implicações sobre as quais voltarei a falar depois.

Por último, Mark Regnerus buscou responder se as crianças com pais em relacionamentos homossexuais experimentaram desvantagens quando comparadas com crianças criadas por seus pais biológicos. A resposta, contra o zeitgeist, parece ser um retumbante sim. Crianças com pais em relacionamentos homossexuais possuem baixo desempenho em quase todos os quesitos. Algumas dessas diferenças podem ser relativamente inofensivas – como em que presidente votaram na última eleição, por exemplo –, mas a maioria não é. Um déficit é particularmente preocupante: menos de 2% das crianças de famílias biológicas intactas sofreram algum tipo de abuso sexual, mas o número correspondente às crianças de casais homossexuais é de 23%. Igualmente perturbador é que 14% das crianças de casais homossexuais passaram algum tempo em abrigos temporários, comparado com 2% do total da população americana. Índices de prisão, contato com drogas e desemprego são bem maiores dentre filhos de casais homossexuais.



O que podemos concluir disso? Bom, é aqui que a coisa se complica. Comparar filhos de pais homossexuais com o “padrão-ouro” – ou seja, pais biológicos que permaneceram casados – é problemático. Dado como o estudo foi feito, alguém poderia perguntar justamente se a questão não é tanto a comparação entre criação homossexual e criação heterossexual, mas entre instabilidade e estabilidade na infância. Por definição, qualquer filho de duas pessoas do mesmo sexo sentirá falta de pelo menos um de seus pais biológicos e provavelmente experimentará alguma instabilidade em mudar da díade biológica para qualquer arranjo que a substitua. E, como explicado acima, a maior parte dos sujeitos do estudo passaram apenas alguns anos com pais do mesmo sexo, o que torna provável que seu arranjo familiar mudou mais de uma vez e, assim, resultou em uma infância instável.

Ademais, dado que o estudo é um retrato de um período de tempo que precedeu a legalização do casamento homossexual (em alguns estados), alguém poderia especular que o estigma social teve seu papel nos dados de Regnerus, e que tal estigma terá um efeito menor em pesquisas futuras. De fato, poder-se-ia afirmar que o estudo de Regnerus poderia ser utilizado para justificar o casamento gay no sentido de que desaprovação social a casais gays não-casados gera a própria instabilidade que leva as crianças a passar por experiências negativas: o casamento de parceiros gays leva ao melhoramento da estabilidade familiar e, portanto, é benéfica para as crianças. Considero isso como um passo muito avançado, pois o alto índice de divórcio entre os gays não indica que casais homossexuais serão em breve um modelo de estabilidade –, mas pode merecer alguma reflexão.

O estudo de Regnerus é um sucesso na medida em que responde à questão fundamental se crianças educadas por casais homossexuais são diferentes: está claro que sim, e não é preciso uma opinião conservadora para ver que “diferentes” significa, quase sempre, “pior”. É discutível, todavia, se isso é culpa das famílias homossexuais ou da instabilidade. De fato, a maior conclusão do relatório não é de que famílias homossexuais sejam negativas, mas mais uma afirmação de que famílias biológicas intactas são uma positivas. De modo simples, se você quer que seus filhos tenham uma vida melhor, você deveria tê-los dentro de um matrimônio e mantê-lo firme. Mas isso nós todos já sabíamos.

Charles C. W. Cooke é editor associado da National Review, onde este artigo foi originalmente publicado.

Tradução: Felipe Melo, editor do blog da Juventude Conservadora da UnB.

EUA fornecerão “superarmas" a Israel, em troca da paz com o Irã


 Os EUA estão prontos para celebrar com Israel uma transação, em que Israel deverá receber armas que até hoje os EUA se recusavam a fornecer-lhe: aviões-cisterna moderníssimos e bombas capazes de destruir refúgios subterrâneos fortificados, esteve hoje o The New York Times.

Em troca, Israel deverá garantir que, pelo menos até 6 de novembro próximo não atacará às instalações nucleares do Irã. É curioso, escreve o jornal, que os EUA pretendam impedir que Israel ataque, fornecendo-lhe exatamente os instrumentos para isto necessários.


O primeiro divórcio gay da história da humanidade


por Jorge Trimboli

A jovem mulher deu o último suspiro na cama rodeada dos seres queridos e morreu.

A mãe chorava inconsolavelmente. Alguns amigos também choravam, outros cochichavam entre eles.

O corpo debilitado da jovem mulher, agora inerte, não resistiu às infeções oportunistas e entrou em colapso geral.

Esta é uma cena muito comum em alguns hospitais, onde milhares de pacientes de AIDS lutam para sobreviver e acabam morrendo sem glória nem honra.

Não era o caso dessa moça jovem. Morreu honrada e glorificada pela imprensa nacional, pelos grupos de direitos humanos, pela toda-poderosa mídia televisiva, pela Internet, por muitos artistas, pelos travestis e por todos os que participam, apoiam ou simpatizam com a causa gay.

Ela era a primeira divorciada dum “casamento” gay no mundo. Uma dupla vitória segundo o olhar dos progressistas. Ela tinha se casado em cartório com outra mulher, e depois de aguentar inúmeras infidelidades conjugais e violência doméstica, se divorciou, tornando-se a primeira divorciada de “casamento” gay do planeta. Ela tinha 34 anos apenas.

A mídia fala pouco das doenças sexualmente transmissíveis entre lésbicas. Aliás, a mídia quase não fala dos problemas de saúde dos homossexuais, fazendo de conta que as doenças não existem. O quadro muda quando conversamos com os médicos, a enfermagem, os assistentes sociais, os padres e os pastores que atendem aos doentes. Mas ninguém faz marketing do que estes heróis anônimos sabem.

Desde a adolescência, esta mulher sofreu várias infeções sexualmente transmissíveis sem ser uma prostituta. Era apenas uma jovem lésbica segundo o padrão das telenovelas e dos filmes brasileiros: uma lésbica normal.

Ela teve clamídia, herpes e gonorreia varias vezes.

Com o sistema imunológico enfraquecido, pegou HIV de alguma maneira que as estatísticas insistem em ignorar, e depois de muita luta, morreu com o nome publicado em todos os jornais nacionais e internacionais. Fizeram dela uma nova Joana d'Arc, uma invenção maluca dos marqueteiros que conseguiram associar a pequena pastora de Domrémy com a primeira lésbica divorciada do mundo, não sei como. E as massas, como quase sempre, acreditaram.

Não é novidade o que aconteceu na sociedade por causa da sua morte: missas, minutos de silêncio, passeatas solidárias e palestras recordavam a jovem mártir, a primeira divorciada lésbica do planeta, uma brasileira.

Mais uma ONG foi criada, para apoiar as vítimas da violência doméstica nos matrimônios gay. É dizer, nada mudou depois da legalização. Para dizer verdade, o orçamento público ficou mais caro para pagar as novas delegacias especializadas em violência doméstica gay. O número de divórcios gays aumentou consideravelmente depois do caso de nossa nova heroína.

Depois de “desencarnar”, como dizem alguns brasileiros, ela entrou num túnel escuro, sem sentir as constantes dores vaginais por causa da clamídia nem as terríveis enxaquecas pela febre alta da AIDS.

Ela se surpreendeu ao perceber que continuava com vida consciente depois de morrer.

Ela caminhou no famoso túnel escuro sentindo um som grave, compassado, como o da batida rítmica da música duma discoteca. Punch-punch-punch!

À medida que ela caminhava em direção à luz no fim do túnel, o som “disco” era mais intenso, ressoando no chão e nas paredes. Era muito semelhante ao som que se ouve na entrada das boates que frequentava na região próxima à avenida Paulista.

O som rítmico e grave de balada lhe deu certa tranquilidade. Sorriu e pensou “deve ser o Paraíso gay, uma eterna balada ao som da música eletrônica. Nada mal!”

A luz no fim do túnel mudava de tons em fagulhas azuis, fúcias e vermelhas que se alternavam, como as luzes “laser” das boates. “Que bom!” ela disse para si mesma. E andou mais rapidamente para entrar logo na festa enquanto ouvia certa gritaria que lembrava as vozes festivas das pistas de dança. Se sentiu animada e pensou: “Olha só! Se soubesse que era assim, teria vindo antes!” sentindo aquele entusiasmo que invadia seu coração indo para as baladas da cidade.

À medida que ela caminhava, o volume da batida grave era mais intensa e as os feixes das luzes eram mais brilhantes.

De repente, aparece a silhueta de um homem vestido de preto, parado no fim do túnel. “Deve ser o leão de chacra” pensou ela, recordando aqueles porteiros vestidos de preto que ficam parados nas portas de entrada das baladas, para selecionar o público que desejava entrar na boite.

Ela nunca foi barrada nas baladas. Ela vestia a roupa da moda, os decotes exagerados, as minissaias, o cabelo arrumado. Ela não era o tipo de lésbica masculinizada. O visual de modelo sexy sempre lhe garantia o acesso nas melhores baladas da cidade. Não seria agora que seria barrada nesta grande balada eterna! “Eu mereço” disse para si mesma pronta para enfrentar orgulhosa o guardião da porta.

E não foi barrada.

Assim ela que se aproximou do porteiro, vieram outros três guardiões vestidos de preto, e os quatro a seguraram pelas pernas e os braços. Ela não conseguiu se safar deles e logo percebeu que algo estava errado.

Como naquela brincadeira de lançar a pessoa na piscina, os quatro guardas de preto, rindo às gargalhadas, a seguraram fortemente, balançando-a e arremessando-a longe, para o centro daquele imenso salão.

Ela voou e caiu dando um alarido, que se perdeu no som ensurdecedor daquele lugar.

O som grave das batidas não era de música. Era o som dos corações múltiplos de uns vermes gigantes que nunca morrem, entrelaçados numa infinidade de corpos humanos lançados naquele lugar. Era uma sopa macabra de vermes e gente.

As luzes psicodélicas eram das chamas que flamejavam vindas de baixo dos vermes. As faíscas e as explosões eram por causa dos corpos humanos que inexplicavelmente continuavam vivos e que nunca se terminavam de consumir num fogo que nunca cessava.

Os quatro guardiões vestidos de preto não eram homens. Eram demônios, aqueles cuja existência ela sempre havia negado durante sua vida mortal. Agora era tarde reconhecer que tudo aquilo que a Bíblia dizía era verdade.

Na superfície da terra, as igrejas fechavam as portas por falta de crentes. Os congressos dos países do mundo festejavam as novas leis que mergulhavam a humanidade numa era de confusão sem precedentes na história da humanidade.

O Céu chorou por mais uma alma perdida. Deus tinha planos melhores para ela. Infelizmente ela ignorou o Criador.

Jesus Cristo disse:

“Mas qualquer que fizer tropeçar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e que fosse lançado no mar. E se a tua mão te fizer tropeçar, corta-a; melhor é entrares na vida aleijado, do que, tendo duas mãos, ires para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. [onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga.] Ou, se o teu pé te fizer tropeçar, corta-o; melhor é entrares coxo na vida, do que, tendo dois pés, seres lançado no inferno. [onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga.] Ou, se o teu olho te fizer tropeçar, lança-o fora; melhor é entrares no reino de Deus com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no inferno. onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga. Porque cada um será salgado com fogo. Bom é o sal; mas, se o sal se tornar insípido, com que o haveis de temperar? Tende sal em vós mesmos, e guardai a paz uns com os outros. Marcos 9:42-50.

(Este conto é ficção. Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência. Os fatos relatados não aconteceram e são fruto de licença literária).