Alabaster Box

O Pai de Todos os Radicais Revolucionários...


“Devemos olhar para o passado e dar algum crédito ao primeiro verdadeiro radical.


De todas as nossas lendas, mitologias e histórias (e quem sabe onde a mitologia termina e a história começa — ou mesmo, qual é o que?), o Primeiríssimo Radical conhecido pelo homem que se rebelou contra o sistema o fez de forma tão eficaz que pelo menos conseguiu seu próprio reino — Lúcifer”.


(trecho da dedicatória da primeira edição do livro doutrinatório "Regras para Radicais", escrito pelo próprio autor, Saul D. Alinsky)



Obs: O parágrafo que contém esse trecho falando que Lúcifer é a inspiração dos radicais foi removido de todas as edições posteriores do livro de Alinsky.





"Pois a rebeldia é como o pecado da feitiçaria, e a arrogância como o mal da idolatria."
(1º Samuel 15:23a)


"Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus."
(Romanos 13:1)


"Obedeçam aos seus líderes e submetam-se à autoridade deles. Eles cuidam de vocês como quem deve prestar contas. Obedeçam-lhes, para que o trabalho deles seja uma alegria e não um peso, pois isso não seria proveitoso para vocês."
(Hebreus 13:17)

Náufrago revela: “Fiquei chamando por Deus. Foi um milagre”

Após 60 horas no fundo do mar, Harrison Okene sobreviveu e revelou:
“Fiquei chamando por Deus. Foi um milagre”

Por Tiago Chagas

O cozinheiro de um navio rebocador que naufragou na última semana de maio na Malásia afirmou que sobreviveu ao acidente por um “milagre”.

Harrison Okene, 29 anos, estava à bordo do navio Jascon-4, quando uma tempestade tombou a embarcação. O cozinheiro passou 60 horas preso no banheiro, e sobreviveu graças a uma bolha de ar que se formou quando a porta do compartimento trancou.

“Eu estava lá na água em total escuridão e tinha certeza de que era o fim. Fiquei pensando que a água ia encher a sala, mas isso não aconteceu”, contou. “Eu estava com muita fome, mas, principalmente, com muita sede. A água salgada tirou a pele da minha boca”, disse Okene, revelando os efeitos de horas submerso na água do mar.

O sobrevivente afirmou em entrevista à agência Reuters que o cenário era assustador: “Estava muito, muito frio e estava muito escuro. Eu não conseguia ver nada. Mas eu podia perceber que os corpos da minha tripulação estavam nas proximidades. E eu podia sentir o cheiro deles. Vieram os peixes e começaram a comer os corpos. Eu podia ouvir o som. Foi um horror”.

Quando os mergulhadores de resgate chegaram ao compartimento em que Okene estava, ele respondeu às tentativas de comunicação e conseguiu ser encontrado: “Ouvi um martelo batendo no navio. Bum, bum, bum! Nadei para baixo e encontrei um dispensador de água. Puxei o filtro de água e martelei o lado do navio esperando que alguém me ouvisse. Então, o mergulhador me ouviu. Quando eu comecei a acenar, ele ficou chocado”, relatou.

Harrison Okene demonstra gratidão por ter sobrevivido, mas não tem certeza se voltará ao mar novamente: “Quando estou em casa, às vezes parece que a cama em que eu estou dormindo está afundando. Acho que ainda estou no mar novamente. Eu não sei o que impediu a água de encher o cômodo. Eu só fiquei chamando por Deus. Ele me protegeu. Foi um milagre”, disse.

Fonte: Gospel+.

Agência americana espiona dados no Google, Facebook, Apple e Microsoft


Por - Felipe Ventura

07 jun, 2013-  Mais um escândalo envolvendo privacidade e governo eclodiu nos EUA, envolvendo espionagem de registros telefônicos e uso de internet. Mas poucos notaram que essa descoberta surgiu no Brasil.

Glenn Greenwald, um ex-advogado americano que se aventurou no jornalismo, trabalha para o jornal britânico Guardian, mas mora no Rio de Janeiro com seu parceiro.

Trabalhando fora dos EUA e protegendo seu computador com programas de chat e e-mail dotados de criptografia, Greenwald revelou que o governo americano obteve acesso aos registros telefônicos de milhões de pessoas, mesmo que não fossem suspeitas.

E isso é apenas a ponta do iceberg: no Guardian, ele também mostra que serviços de internet – e o conteúdo privado que eles armazenam – também estão sendo acessados. Um PowerPoint de 41 slides, ao qual Guardian e Washington Post tiveram acesso, detalha como o FBI e a NSA (Agência de Segurança Nacional) se uniram para obter acesso aos servidores de nove grandes empresas de tecnologia nos EUA: Microsoft, Google, Facebook, Apple e outras.

Neste programa secreto, chamado PRISM, as agências extraem e-mails, fotos, áudio, vídeo, documentos e registros de conexão. Ou seja, eles teriam acesso livre para pegar o que quiserem. Eles estariam fazendo isso desde 2007 – e é tudo completamente permitido por lei.

O governo americano confirmou que o PRISM realmente existe. James Clapper, o diretor nacional de inteligência, diz que isto faz parte da Seção 702 da FISA (Lei para Vigilância de Inteligência Estrangeira).

Qual o objetivo desse programa? Segundo Clapper, é espionar os estrangeiros fora dos EUA:

A Seção 702 é uma disposição da FISA feita para facilitar a aquisição de informações de inteligência estrangeira, relativas a pessoas não-americanas fora dos EUA. (…) A informação recolhida no âmbito deste programa está entre as informações de inteligência estrangeira mais importantes e valioso que nós coletamos, e é usada para proteger nossa nação de uma ampla variedade de ameaças.

As empresas que estão ao alcance de PRISM são, basicamente, qualquer serviço que você usaria na Internet: Microsoft, Yahoo, Google, Facebook, AOL, Skype, YouTube, PalTalk e Apple. (O PalTalk vem sendo usado para comunicações na guerra civil da Síria.)

Como o PRISM funciona? Segundo o Washington Post, os analistas primeiro inserem “seletores” (termos de pesquisa) no sistema, feitos para detectar se uma pessoa é estrangeira com nível de confiança de pelo menos 51%. Depois eles podem começar a recolher dados.

E parece que o PRISM consegue levantar qualquer tipo de dado. Ele poderia, basicamente, acompanhar todos os seus movimentos na Internet. No Facebook, ele obtém acesso completo às “extensas capacidades de pesquisa e de vigilância” da rede social. No Skype, o PRISM pode obter “áudio, vídeo, chat e transferência de arquivos”. No Google, ele pode espionar o “Gmail, chat em voz e vídeo, arquivos do Google Drive, bibliotecas de fotos e vigilância ao vivo de termos de pesquisa”. Quer dizer, eles poderiam ver sua atividade na web enquanto você digita.

Segundo o Guardian, esse programa do governo funciona com a ajuda das empresas. A Microsoft teria sido a primeira a participar, em 2007. O Yahoo aderiu em 2008. Google, Facebook e PalTalk, em 2009. O YouTube entrou em 2010, e Skype e AOL em 2011. A Apple fechou o grupo de nove empresas em 2012. O Dropbox seria incluído “em breve”.

O Twitter é uma ausência notável, mas as outras empresas representam praticamente toda a Internet, envolvendo pesquisa, e-mail, vídeo e qualquer tipo de comunicação. No entanto, elas negam qualquer envolvimento no programa:
- o Google afirma que “não tem um ‘backdoor’ para o governo acessar dados privados de usuários”;
- a Apple diz: “nunca ouvimos falar de PRISM, e não fornecemos acesso direto a nossos servidores para nenhuma agência do governo”;
- a Microsoft, dona do Skype, só entrega dados se for acionada judicialmente, “e nunca de forma voluntária”;
- Facebook e Yahoo, assim como as empresas acima, negam fornecer ao governo acesso direto a seus servidores.

Elas afirmam que só fornecem dados ao governo após mandado judicial ou ordem semelhante. Um executivo sênior diz ao Guardian que, se o governo está utilizando dados dessas empresas, “eles estão fazendo isso sem nosso conhecimento”.

Enquanto isso, descobriu-se que a NSA mantém registros telefônicos de toda ligação feita nos EUA desde a aprovação da lei Patriot Act, em 2001. Isso envolveria todas as operadoras – não apenas a Verizon, cuja participação foi revelada ontem.

Este é o maior escândalo sobre privacidade no governo Obama. Vejamos como o caso se desenrola nos próximos dias – e quais mudanças estes vazamentos vão provocar.

Em notícias relacionadas, o livro “1984″, de George Orwell, completará amanhã 69 anos de seu lançamento. [The Guardian, Washington Post, New York Times]

Fonte: GIZMODO.

Links relacionados:
- EUA: Ex-colaborador da NSA assume fuga de informação sobre espionagem na internet
- Delator de esquema de espionagem dos EUA pode não escapar da extradição
- Julian Assange aconselha Edward Snowden a procurar asilo na América Latina
- Rússia disposta a analisar asilo a denunciador americano
- Debate sobre espionagem da NSA ganha força no Congresso dos EUA
- Vigilância de dados nos Estados Unidos causa preocupação na Europa

- Obama, cada vez mais parecido com Bush

Ordem dos Músicos do Brasil não pode mais fiscalizar atividades musicais em templos ou igrejas

 Agora é definitivo: o Conselho Federal da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) e o Conselho Regional do Estado de São Paulo da OMB não podem mais impedir ou atrapalhar a realização de eventos musicais religiosos em templos, igrejas e ambientes de natureza religiosa por meio da exigência de que os membros dessas instituições estejam inscritos na Ordem. Por meio de sentença publicada no Diário Eletrônico da Justiça no último dia 3 de junho, com validade em todo o território nacional, a Justiça Federal em São Paulo decidiu que a fiscalização da OMB nesses ambientes viola os princípios constitucionais da liberdade religiosa e de culto e, sobretudo, da liberdade de expressão.

Em agosto de 2010, a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do MPF/SP propôs uma ação civil pública com pedido de liminar para que Conselho Federal da OMB deixasse de praticar atos de fiscalização que pudessem impedir ou atrapalhar a realização de eventos musicais e religiosos em templos, igrejas e ambientes similares. A PRDC argumentou na ocasião que “não se pode exigir dos músicos e pessoas que se apresentam em cultos de templos, igrejas e outros ambientes congêneres a habilitação técnica e formação específica para suas atividades”.

Em maio do ano passado, a Justiça Federal concedeu a liminar requerida pelo MPF e, desde então, a fiscalização da OMB nesses locais já estava vetada. Agora, a proibição passa a ser definitiva porque ocorreu o julgamento do mérito da ação - e a decisão anterior, de caráter provisório, foi confirmada em sentença. Em caso de descumprimento da decisão, a OMB pode ser multada em R$ 10 mil para cada prática irregular.

Ritual - “A música integra o culto (ritual religioso), e nessa condição não pode ser considerada uma atividade profissional sujeita à fiscalização da Ordem dos Músicos. Os músicos nela atuam como parte da celebração religiosa, a qual é vedada a interferência do Estado”, diz um trecho da sentença. “A respeito da liberdade de culto, José Afonso da Silva, em sua obra 'Comentário Contextual à Constituição', esclarece: 'A religião não é apenas sentimento sagrado puro. Não se realiza na simples contemplação do ente sagrado (…); se exterioriza na prática dos ritos, no culto, com suas cerimônias, manifestações, reuniões, fidelidade aos hábitos, às tradições, na forma indicada pela religião escolhida'”.

Ainda de acordo com a sentença, “aqueles que participam de atividades musicais em igrejas ou templos não seriam considerados profissionais, visto que para participar de uma atividade religiosa seria prescindível deter conhecimento técnico específico para a execução dessa atividade ou formação acadêmica”. “Portanto, não seria cabível a fiscalização e autuação pela Ordem dos Músicos. No entanto, ainda que, em tese, um músico que participe do culto seja considerado profissional, é vedada a interferência da Ordem dos Músicos quando a atuação se der em instituição de natureza religiosa, havendo impedimento à exigência do credenciamento no conselho profissional como condição para a participação em cultos em igrejas ou templos”.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Procuradoria da República em São Paulo.
Fone: (11) 3269-5068
E-mail: ascom@prsp.mpf.gov.br

Marcha pela Família reúne 100 mil pessoas em Brasília




Em plena quarta-feira!

“Esse nosso evento é um ensaio, um exercício de cidadania. Não somos cidadãos de segunda classe, vamos influenciar a nação,” disse o Pr. Silas Malafaia com entusiasmo a uma multidão estimada em mais de 100 mil pessoas, de acordo com o Portal Fé em Jesus.

A multidão, composta de gente simples, ordeira e pacata, estava ali reunida para atender ao chamado do pastor assembleiano, que havia em seus programas de TV e mídias convocado os evangélicos e brasileiros pró-família para um manifesto público em defesa da família, da vida e das liberdades de expressão e religião na tarde de quarta-feira (5 de maio) em Brasília.



A manifestação foi o primeiro grande ato contra a resolução ditatorial do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) obrigando os cartórios de registro a fazer “casamentos” gays.

O deputado João Campos (PSDB-GO), ex-presidente da Frente Parlamentar Evangélica, disse que o evento foi necessário porque o PT está tentando colocar uma mordaça na imprensa, ao pretender impor controles na mídia, especialmente as mídias cristãs. “O Estado laico não é o religioso nem o antirreligioso. É o que garante a liberdade de crença,” disse ele.



Outro alvo da manifestação foi a ameaça do PLC 122, que transforma em crime toda crítica às práticas homossexuais. A manifestação se tornou mais necessária, pois apenas um dia antes da Marcha pela Família, Renan Calheiros (PDMB-AL), o presidente do Senado, afirmou que, com ou sem consenso, vai fazer com que o Senado priorize a aprovação do PLC 122.


Teria tentado Calheiros, cuja eleição para presidente do Senado foi marcada pela exposição de seus escândalos políticos, afrontar a manifestação pró-família?


Calheiro não é o único que vê com maus olhos iniciativas em favor da família. A mídia esquerdista brasileira, que adora inflar os números das paradas gays, fez tudo o que pôde para pintar, para seus espectadores, um quadro de pequenez para a Marcha pela Família.

De acordo com denúncia do Portal Fé em Jesus, o CorreioWeb anunciou 8 mil pessoas, mas depois corrigiu. O Estadão também optou por apresentar um número murcho para o evento.


O Congresso Em Foco, que é a coroa da mídia pró-PT no Congresso Nacional, apostou em apenas 30 mil pessoas, numa reportagem que não conseguiu esconder seu azedume por um evento de protesto contra o aborto, contra o “casamento” gay e contra o ditatorial PLC 122.

Anos atrás, ao tratar da Marcha para Jesus, o Congresso Em Foco retratou o evento como igual à Parada Gay, como se ambas as passeatas fossem marcadas por farras, bebedeiras, violência e sexo anal. Mas na hora de entrar na questão dos números, a igualdade foi zero. O veículo pró-sodomia fez questão de atribuir números estratosféricos às paradas gays. A Marcha para Jesus ou a Marcha pela Família? O Congresso Em Foco não viu e, mesmo antes de ver, já pode garantir: foi pequena.


Foto panorâmica do evento

A realidade da força desses eventos ou os sentimentos pró-família do povo brasileiro pouco mexem com o senso do Congresso em Foco em particular ou da grande mídia geralmente.

Num artigo sobre comportamento homossexual, feito com sua notória parcialidade designada para produzir nos leitores reações de apoio às causas gays, o Congresso Em Foco se deparou com um fato inédito em seus anos de propaganda esquerdista: os leitores manifestaram seus sentimentos pró-família discordando da descarada propaganda pró-homossexualismo. O artigo acabou se tornando, até aquela ocasião, o mais comentado de Congresso Em Foco, que não teve outro recurso se não acusar seus próprios leitores de “homofobia.”



É muito difícil praticar jornalismo honesto no Brasil. Mas é fácil, em cargos políticos ou jornalísticos, adulterar dados, números, estatísticas e fatos, com apenas uma canetada maliciosa, em favor de agendas destrutivas, como a agenda gay, e em desfavor dos sentimentos da maioria do povo brasileiro, que é pró-família.

Tais sentimentos não são respeitados nem mesmo quando são manifestos por seus próprios leitores e eleitores.

O Congresso Em Foco preferiria, é claro, passeatas evangélicas mais alinhadas com os objetivos da ONU. Elas existem, mas não foi o que aconteceu no evento em Brasília.


O fato é que o povo compareceu em massa à Marcha pela Família em Brasília. Sua mensagem foi clara: Queremos vida, não morte nem aborto. Queremos família, não falsificações grosseiras, inclusive o “casamento” gay. Queremos liberdade, não opressão.

Um recado poderoso foi passado aos políticos e à mídia: com ou sem canetadas maliciosas, o povo está de olho e vai lutar pela família.

Fonte: Mídia sem Máscara e outros.

Pedra com suposta profecia de anjo Gabriel é centro de mostra em Israel

Pedra "A Revelação do Anjo Gabriel", exposta em Israel 
 
DIOGO BERCITO, DE JERUSALÉM

04/06/2013 - 03h37
 
Uma pedra áspera, rachada, com 87 linhas escritas a tinta em hebraico antigo. Apenas metade é legível. Nas linhas 77, 80 e 82, o narrador se apresenta: "Eu sou Gabriel".

É uma das aparições mais antigas desse anjo, que tem papel-chave no judaísmo, no cristianismo e no islamismo, servindo de ponte entre as três religiões monoteístas.

No texto, Gabriel se dirige a um interlocutor, provavelmente um profeta ou um visionário, a quem o anjo faz sua revelação a respeito de um ataque a Jerusalém.

"É uma profecia escrita em pedra na época em que Jesus nasceu", afirma à Folha o pesquisador Israel Knohl, da Universidade Hebraica de Jerusalém. Ele é um dos responsáveis pelo estudo do objeto conhecido como "A Revelação de Gabriel".

A pedra é o centro de uma recém-inaugurada exposição no Museu de Israel. O artefato é considerado o mais relevante no campo da teologia desde os manuscritos do mar Morto, encontrados em 1947.

Knohl é também o responsável pela interpretação --hoje contestada-- de que a "Revelação de Gabriel" registra uma ideia de ressurreição messiânica anterior à Bíblia.

Isso porque, na linha de número 80 da pedra, um trecho da fala de Gabriel está apagado. Knohl interpretou a passagem como dizendo que, após três dias, "você deverá viver". A tradução em exposição no Museu de Israel afirma apenas que "em três dias, o sinal será dado".

CAMINHO

Acredita-se que a "Revelação de Gabriel" tenha sido encontrada na margem leste do mar Morto em 2000 por beduínos, de onde iniciou sua jornada por vendedores de antiguidades até chegar às mãos do colecionador suíço-israelense David Jeselsohn. A análise mineral da pedra dá ênfase à teoria.

O artefato data dos anos ao redor do nascimento de Cristo. "Ele nos dá informações sobre esperanças e expectativas do povo naquele tempo", diz Knohl.

"A Revelação de Gabriel" está exposta no Museu de Israel ao lado de outros registros judaicos, além de textos cristãos e islâmicos. "Quisemos apresentar o papel mutável do anjo Gabriel por meio dos manuscritos", diz o curador Adolfo Roitman.

A disposição dos objetos lembra um monastério ou uma yeshivá (escola religiosa judaica). A luz fraca contribui para o clima introspectivo.

Os anjos são identificados, na tradição abraâmica (judaísmo, cristianismo, islamismo), como portadores de profecias e de segredos, conectando o humano, em meio a suas aflições, a Deus.

Na Bíblia judaica, o anjo Gabriel aparece no livro de Daniel. Ele também é mencionado nos textos dos manuscritos do mar Morto.

Na Bíblia cristã, ele é citado duas vezes em Lucas. Na segunda, anunciando a Maria o nascimento de Jesus.

No Alcorão, ele tem papel fundamental, pois é segundo Maomé, foi por meio de Gabriel (ou, em árabe, "Jibril") que ele recebeu as palavras de seu livro sagrado.

As Perguntas de Deus a Jó

 
Por: Pastor Josias Moura

Para Decorar: “Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? (Rm 9.20).

INTRODUÇÃO

As perguntas são um aspecto importante do ensino. Podem ser usadas para ensinar aos homens o que não sabem ou reforçar aquilo que já sabem. Quando Deus interrogou a Jó, foi para ensinar-lhe coisas que já sabia, mas que recentemente falhara em reconhecer e aplicar. As perguntas de Deus foram calculadas para produzir resultados certos. Esses mesmos resultados podem ser produzidos na sua vida hoje, se você aplicar as perguntas de Deus a si mesmo.

VOCÊ ESTAVA LÁ? (Jó 38.1-7)

Esta seção das Escrituras é a primeira parte de um capítulo contendo aproximadamente 42 perguntas feitas por Deus a Jó (Jó 38.1-41). Todas foram calculadas para fazer com que Jó tomasse consciência de sua atitude errada em relação ao seu sofrimento.

O fato de Deus ter falado a Jó “do meio de um redemoinho” (v. 1) enfatizou o grande poder do Criador. Quando Deus perguntou: “Quem é este que escurece os meus desígnios com palavras sem conhecimento?” ele não estava pedindo a Jó que se identificasse (v. 2). A idéia que colocou diante dele foi esta: “Quem você pensa que é?” Pretendia com isso censurá-lo pela sua atitude presunçosa. Questionando a justiça de Deus, Jó havia colocado o Seu propósito sob uma luz falsa. Esta argumentação teve um resultado positivo, pois maist arde Jó confessou o seu pecado (Jó 42.3). (1 Jo 1.9.)

Através de todo o livro não há um indício sequer de ter sido feita a Jó alguma revelação que lhe explicasse a razão do seu sofrimento. Jó pode nunca ter vindo a saber por que sofria. Deus não era obrigado a dar-lhe uma razão. Quando você sofre, a pergunta a ser feita é esta: “como posso glorificar a Deus no meu sofrimento?”

O interesse de Deus por Jó fez com que Ele fizesse algo além de condenar e punir. Ele queria restaurar Jó. Seu método foi humilhá-lo, a fim de poder edificá-lo e restaurar nele a atitude certa.

“Cinge, pois, os teus lombos” (v. 3) é a ordem de Deus para que! Jó se prepare para agir. Jó deveria ficar pronto para fazer qualquer coisa que o Senhor exigisse dele, seja mental ou física. (Veja 1 Re 18.46; 1 Pe 1.13.)

Jó tentara usurpar o lugar de Deus enquanto argumentava o seu caso perante os amigos. Deus o fez lembrar que não passava de um simples mortal. Dizendo-lhe que cingisse os seus lombos “como homem” (v. 3), Deus estava lembrando-o de sua mortalidade, assim como enfatizava a espécie de preparação que ele deveria fazer. Deus estava declarando guerra ao orgulho e presunção de Jó.

A pergunta seguinte de Deus (v. 4) fez com que Jó encarasse a realidade do fato de que não passava de simples criatura em lugar de Criador.

“Se é que o sabes” (v. 5) é a maneira de Deus lembrar a Jó de sua falta de conhecimento. Jó evidentemente falara da criação como se estivesse lá, quando esta ocorreu. Deus, com gentileza, mas firmemente lembrou-lhe que ele não estava lá.

Jó não podia oferecer nenhuma explicação para as maravilhas da criação. Deus tinha marcado com cuidado o lugar que a terra deveria ocupar (v. 5) e tinha suspendido o globo no espaço (v. 6). A ordem e coesão do universo, assim como os seus movimentos, estão além da capacidade de explicação de Jó.

Ele era inferior a Deus, sendo, também, inferior aos anjos. O homem não tem nenhuma reivindicação sobre a divindade. Ele está ainda mais distante da divindade do que os anjos.

VOCÊ ME CULPA? (Jó 40.6-9)

“Passar adiante a culpa” é uma velha tradição humana que data dos tempos do jardim do Éden. Adão tinha culpado Eva por dar-lhe o fruto da árvore proibida para comer. E também culpou a Deus pelo que acontecera de errado no paraíso. “A mulher que me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi” (Gn 3.12), acusou Adão.

Em suas respostas aos amigos, Jó havia mencionado que existiam meios melhores para Deus tratar com ele. Jó estava acusando Deus de um juízo incorreto. Deus convidou-o a acusá-lo de julgamento imoral (Jó 40.8<). Como poderia Jó responder? Ele já admitira que era “indigno” (Jó 40.4). A luz da sabedoria e poder do Criador, ele podia apenas “abominar” a si mesmo pela sua pretensão de ser mais reto do que Deus (Jó 42.6).

Somente um Governante perfeito poderia governar esta terra e os seus povos. Desde que Jó não possui o poder de Deus, ele precisa renunciar ao direito de ser Deus e deixar de questionar o julgamento divino.

Veja Apocalipse 4.11 como exemplo de exaltação ao Criador que tem todo o poder e o direito de governo sobre os povos da terra e os exércitos do céu.

Jó viu-se apanhado em uma situação onde procurou julgar a Deus, quando somente Deus podia justificá-lo. Jó havia suplicado por esta justificação por parte de Deus (Jó 19.23-29). Ele tinha compreendido que nenhum homem pode ser justificado por seus próprios méritos (Jó 9.13-24). Mas, em meio ao sofrimento, o sentido de propriedade espiritual de Jó ficara embotado. Quando o quarto amigo de Jó, Eliú, terminou de falar, Deus notou a inclinação de Jó para acusar seu Criador (Jó 40.8).

As perguntas feitas por Deus a Jó fizeram com que este percebesse que devia pedir a misericórdia do Senhor. Jó jamais poderia livrar a si mesmo do pecado ou do sofrimento (v. 14). Somente Deus podia quebrar os grilhões de Satanás sobre a riqueza e bem-estar de Jó. (Rm 8.33; Hb 2.14,15.)

DEVO ALGUMA COISA A VOCÊ? (Jó 41.11)

Deus estava no processo de colocar Jó no seu lugar. Este não tinha nenhum direito de assumir o papel de Deus, quando não passava de um simples ser humano pecador. A criatura tinha colocado o Criador debaixo de uma obrigação. Como Deus lidaria com Jó neste assunto? Continuaria a mostrar-se paciente e a conceder-lhe misericórdia?

O orgulho do homem o faz pensar que Deus precisa de Suas criaturas e de suas dádivas. Jó teve a ousadia de agir deste modo.

Sua presunção não tinha nenhuma base. Todos os seus bens e sua saúde eram dons de Deus. Fora Ele quem lhe dera tudo o que tinha, pois Jó viera ao mundo sem nada.

A conclusão a que Jó chegou foi que merecia mais do que recebera das mãos de Deus. Em outras palavras, sua vida reta antes de suas provações obrigava Deus a dar-lhe uma existência mais confortável.

A lição que Jó precisava aprender era dupla: ninguém pode dar mais do que Deus, e ninguém pode exigir nada de Deus.

O apóstolo Paulo citou Jó 41.11 em Romanos 11.35: “Ou quem primeiro lhe deu a ele para que lhe venha a ser restituído?” O contexto desta passagem na epístola aos Romanos trata da demonstração da misericórdia de Deus (Rm 11.30-32). A misericórdia de Deus manifesta o favor não merecido que Ele concede aos homens. Deus é o início e o fim da salvação do homem. Ninguém é justificado com base em seu próprio mérito, mas na graça de Deus. (SI 3.8; Ef 2.8,9; Tt 3.4-7.)

Jó experimentara a graça de Deus em sua própria salvação. Iria experimentá-la novamente no livramento da opressão de Satanás. Essa libertação, porém, nãò seria dada a Jó por merecimento ou porque Deus fosse obrigado a libertá-lo. Da mesma forma que não era obrigado a justificar as Suas ações, Deus também não era obrigado a livrar Jó de suas aflições.

Se ele não pudesse aprender essas lições, não seria restaurado a uma condição de espiritualidade. Deus queria que ele se submetesse ao Criador. O apóstolo Tiago resume o propósito de Deus para cada um de nós neste aspecto. Devemos submeter-nos a Ele, resistir ao diabo, achegar-nos a Ele, e purificar nossos corações (Tg 4.7,8).

Pelo uso de perguntas cuidadosamente elaboradas, Deus estava mostrando a Jó sua necessidade de uma mudança de atitude. Ele estava procurando fazer com que Jó voltasse a uma posição de comunhão.

EXAMINE SUA VIDA:

Você aplica as perguntas de Deus à sua vida? Jó não teve nenhuma explicação para o seu sofrimento enquanto viveu. Devemos esperar uma justificação para os nossos? Você está sempre preparado para fazer o que Deus quer de você, seja no aspecto mental ou físico? Tudo o que temos nos foi dado por Deus. Podemos exigir alguma coisa dEle?

Fonte: Eu Sou Livre.